frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

terça-feira, 21 de março de 2017

VERSOS À FLOR DA PELE



Há por baixo da minha pele
Tantos caminhos insuspeitos
Tatuagens sob a epiderme 
  Que traduzem meus desejos (NLC)




Há na minha pele atalhos
Que nunca foram explorados
Nua, me exponho ao orvalho
           Por que nunca os macularam?( Anna)




Por baixo da minha pele 
Há um jardim permitido 
Um desejo que me impele 
         E me inunda de fluídos (NLC)


Há na minha pele fertilidade
Uma ânsia de ser tocada
Mãos hábeis trariam saciedade
               A flor do amor seria brotada(Anna)


Por baixo da minha pele há arrepios 
Uma sede que água nenhuma sacia 
Que deságuam em intensos rios 
       E molham os versos da minha poesia ( NLC) 


Há na minha pele um mar revolto
E uma ânsia de mergulhos viscerais
Traduzo em versos tempestuosos
             Os meus desejos carnais  (Anna)


(NLC Poesias & AnnaLuciaGadelha)



sexta-feira, 10 de março de 2017

VERSOS DE NÓS DOIS






Poetizo a saudade: em teu corpo me encontro
entre versos me exponho ao teu suave prazer
 e a poesia que invade são teus lábios (meu sonho)
deslizando nas tardes do nosso querer 




Poetizo palavras como aquelas de outrora 
Cobertas de sentimentos dos pés à cabeça 
Entre as letras, há um verbo que ardente implora 
E vibra, a cada rima que o verso lateja 



E abrem-se as pétalas de tua pele . . . Agora
cubro-te deste amor que floresce em teu ser
atiça-me com tua vontade (o meu verso adora!) 




E minha pele flameja arrepiada a estremecer 
Pois os teus dedos são laços que no poema aflora
O meu verbo implora . . .  Agora . . . O teu querer 




NLC Poesias & Emanuel Angelo

domingo, 5 de março de 2017

BEBA-ME



Beba-me

De gole em gole

Com sede 

Me engole . . .

Deseja-me

Em teus lábios quentes

Saboreia-me

Lentamente.

Ceda

À sede de me ter

De gole em gole

Vou te entorpecer 




ALÉM DAS SIGLAS - NLC Poesias 

quinta-feira, 2 de março de 2017

POEMA CALADO




Dita em palavras, expostas feridas
Rasguei o peito, desfiz caminhos 
Não achei dos labirintos, a saída
Assumi as farpas desses espinhos.

E triste, minha poesia ficou calada
Versos úmidos, impregnados de nada.

ALÉM DAS SIGLAS – NLC Poesias

sábado, 25 de fevereiro de 2017

VERSOS EM TRAPOS



Tenho ainda marcado
Os poemas que sangrei
Só restaram machucados
Das asas que arranquei
Tenho ainda guardado
O vestido que não usei
Mesmo feito em trapos
Guardo ainda os pedaços 
Dos versos que rasguei
E assim eu me desfaço
Das sandálias que não calcei
Ainda presas nas caixas
Dos sonhos eu não sonhei . . . 


E naquelas sandálias
Que nunca mais sonhei
Estão ainda os meus pés
Presos em caixas que nem sei. . . 

Além das Siglas - NLC poesias

sábado, 11 de fevereiro de 2017

SÓ MEIAS PALAVRAS



Sobrou-me apenas metade

O resto me falta agora

Só meias palavras e a vontade

De ser inteira como outr’ora


Sobrou-me meios sentidos 

Calados, pelos pedaços que me faltam 

São rimas de versos tolhidos 

Que se escondem no fundo da alma 


Sobrou-me meias tristezas e alegrias 

E cicatrizes que na alma guardo

Mas sobrou-me inteira a poesia

E meus sonhos um dia sonhados 



Além das siglas - NLC Poesias
















domingo, 5 de fevereiro de 2017

APENAS EU E A POESIA



No início ainda não havia 
Nem um céu nem uma terra 
E eu nem sabia 
Se um dia
Haveria primavera.

E nem existia ainda 
O desejo primeiro 
De um sonho derradeiro
E da última letra caída
Não havia rumores ...
E eu só conhecia dores

Nesse universo
Tão complexo,
Apenas havia
Eu e a poesia...

Era ainda um “ Eu” desintegrado 
Um fundo que me engolia
De um verbo mal conjugado
Num tempo que eu não mais queria...

(NLC Poesias )

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

MANIA DE POESIA




De dia,

Vivo com receio

Dessas minhas manias . . .

À noite,

Encontro a poesia

E nos versos eu passeio

Entre rimas e  fantasias.



NLC Poesias 


sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

QUEM SABE? (CIRANDA)

















Eu não sei, nem sei se quis,
sei tão pouco, que nada sei,
Se algum dia soube, não sei, 
E quem sabe não me diz...

Alguém sabe?
( NLC Poesias)



*********

Se eu disser que sei,

Por certo não saberei o que estarei dizendo,
Pois, se o que eu disser que sei,
Neste caso não sei

(Sócrates Di Lima)
*******
Sabes que também não sei
 Nem me interessa saber
 Às vezes é melhor não saber
Do que saber... e sofrer.
(Maria Marlene)

*******
Quem muito sabe
Será que sabe?
Falo por mim
Eu nada sei..
(Suzete Palitos)
******
Bem sei, que te quis,
Quis tanto...Nem queira saber,
Ou então saberá, o que nunca se quis,
E tudo que sei, morrerá sem saber.
(Son dos Poemas)

*********
As vezes eu sei que nada sei
mas se sei porque então penso que não sei?
sei la,pode ser,não sei
tudo o que sei é que tento saber
o que quero saber?não sei
(Marinez Novaes)

******
Quem sabe eu sei
 E posso não saber que sei
 Ou sou o tipo que sabe
 Na crença de que sabe tudo
 Quem sabe eu, mudo
 Não posso exprimir o que sei
 Malgrado saber.
 Ou de nada sei
 Mas não me convenço de que nada sei
 E disto nunca saberei.

(Alfredo D Alencar)

***************



O maior saber é,

justamente, nada saber.

Os que sabem nem sabem que sabem,

os que não sabem pensam saber.
(Moacir Luís Araldi)
********
Sei que teu cheiro me atiça,
Faz o meu dia ficar brando,
E até já sei quando viças,
E eu estou sempre viçando.

(Miguel jacó)

********

Quem sabe não sabe nada,
Sabe mais que um sabidão,
Leva uma vida controlada,
Pisando firme no chão. 
(Nailo Vilela)
*********
Para que querer saber
 O que pode fazer sofrer
Então deixa como está
 Senão pode até esquentá
(Eemanuel)
**********

Se tu sabes eu não sei...
Mas quem sabe, eu não duvido...
Se deixares eu direi baixinho...
Coladinho no teu ouvido...
Para que assim tu saibas...
Que eu sei tudo o que digo...
(Edson dos Santos)

********
Você finge que não sabe,
Mas eu sei que você sente...
Chegue mais perto e tente,
Quem sabe o coração abre...
(Jacó Filho)

*********
Quem sabe?
Porque o ateu, na hora da morte
Pede anistia ao nosso Deus.
(Hora) quem sabe?
Porque só depois muitos anos
Percebemos que dormimos
Com o inimigo.
Quem sabe?
Verdadeiramente à dor de uma mãe
No extermínio de um filho.
Quem sabe?
O desgosto de um homem
Diante da sádica infidelidade.
Quem sabe?
O que acontece nas cabeças
Dos senhores das guerras.
Quem sabe?
Os sinônimos da palavra paz.
Quem sabe?
 Quem sabe?
Em poetisa NLC!?
Uma interrogação que não quer silenciar.
(Sam Moreno)
*******
No fim com tanto disse me disse,
e com tanto sei não sei,
que eu acabei não sabendo,
se sei ou se não sei,
só sei que não sei nada.
(Jcoelho)
*******
Saber ou não saber
é o mesmo que entender sem entender
aceitar sem compreender
o importante é tentar resolver
se vale a pena ou não saber
(Claudio Dias)
***********
Os sinônimos da palavra paz

 Quem não sabe pode vir a saber

 Pesquisando com a calma de uma criança

descobrindo o deslumbramento da vida

 Vivenciando o sossego de uma vida

no campo na época em que a tranquilidade

era fruto de repouso

 E viva a harmonia

de um viver em comunidade sadia...

( ver em minha escrivaninha a continuidade deste texto)

(Leah Ribeiro Pinheiro)

********

Não sei
procurei saber a verdade do sábio que sabia muito,
mas essa questão nem ele sabia.
Apenas sei que eu não sei e o que eu pensava saber
sabiamente não sabia nada.
Sem saber segui procurando quem sabe.
Mas realmente quem sabe?
A verdade ou a mentira?
Se alguém souber me diga.
Quem sabe muito não sabe nada
e quem não sabe nada nunca sabéra o que é saber.
Pois o tempo passa a pele enrruga e os cabelos ficam grisalhos,
no corpo e na mente a sabedoria está presente,
mas nunca saberemos quem sabe realmente
e quem esta apenas se enganando
pensando saber que sabe alguma coisa.
(Yago David)
 ******
Ora...Ora...minha amiga
No mundo do saber
Quem nada sabe é sábio?
Procuro saber o próprio saber.
(Zemary)
**************
Quando souberes que sabes,
diga-me para que possa também saber.
(Asterix)
*************
Então você não sabe?
Aquilo que sei.
Por que então contar, hei.
Aquilo que não sabe!
Mas se você não sabe,
Do tão pouco que sei.
Confessar-lhe, hei,
Os segredos meus.
Mas que ninguém saiba,
Os mistérios meus, e nem teus
Viu só! Que tu não sabe,
Nem eu...
(O Uirapuru)
***************
Eu acho que nada sei
Agora sou mais de escutar
 Um dia aprenderei
 Saber mais do que falar
 Conhecer é uma meta
 Que sempre devemos ter
 A palavra é a seta
 Que indica o saber
 A leitura e a escrita
 Nos fazem indicação
 É esperto quem cita
 Dos outros a opinião
 Quem sabe um dia eu seja
 Uma grande escritora?
 Mas no momento eu sei
 Que sou uma aprendiz, amadora
 Por isso estou aqui
 Aprendendo no Recanto
 Uma parte já vivi
 A outra guardo como encanto.
(Regina Madeira)
************

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

SONETO DE NÓS DOIS




Ofereço o meu corpo de papel em branco
Para escreveres tuas letras com ardor
Rabiscando as estrofes com um jeito brando
E molhando os meus versos com beijos de amor

Deslizo os lábios meus na tua pele nua...
Inebriando-me dos aromas teus poetisa;
Banhada pela límpida e formosa lua
Que nas noites encanta os céus, nos paralisa;

Compondo nossa tão suave trilogia
O doce entrosamento entre eu, você e a lua
Posso ser tua então... Num verso de poesia;

E sendo minha eu posso te abraçar no sonho
Sonhado quando em noites minha alma flutua
Ao teu encontro junto ao meu anjo risonho;

NLC Poesias & Samuel Balbinot