frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

domingo, 23 de fevereiro de 2014

BICHO GENTE




Um dia sonhei em ser gente

Mas acordei num mundo doente ,

Onde preferia ser bicho !!! 

Bicho vivendo entre gente, pareceu-me elogio

Às vezes bicho-gente às vezes gente-bicho

Tento ser gente, mas o bicho reclama

Prefiro ser bicho, quando gente me engana 

Me sinto gente, vivendo em meio a bicho

E agindo como bicho é que sobrevivo...

Meio gente, meio bicho !

Que importa o bicho que não sou. . .

Gente que tento ser,

Nas cinzas esperando pra renascer .

Ser gente ou ser bicho . . .

E sentir enfim que existo.

Bicho sim . . .

Gente também . . .

Cheia de contradição! !

Mas em paz com meu coração.

( NLC Poesias )






6 comentários:

Anônimo disse...

És Especial Mulher e Felina !
Gente de um coração surreal!

Nilson Ferreira disse...

Acho interessante a sua visão de mundo. Ao mesmo tempo que és atenta ao cotidiano, também navega na filosofia de conhecer a si mesma. E por isso escreve coisas lindas, que, nos faz passar tempo refletindo em suas palavras. Muito Lindo o teu poema. Nosso mundo hoje, somos tentados o tempo inteiro a fugir daquilo q somos, para se posicionar em um lugar, de onde podemos observar qual o melhor angulo para se viver, sem nos machucar.
POETISA, BJO!

Emmanuel Almeida disse...

Na dualidade encontramos duas verdades e duas mentiras, os inversos se atraem. Lindo, intenso, filosófico seu Poetar, Poeta!

Emmanuel Almeida

RACIONALISMO - ERA OU SEMPRE FOI? disse...

Perfeito trato de nossos vestígios evolutivos, se bicho ou gente fica a dúvida... Parabéns poetiza, linda poesia.

Sony Azevedo disse...

Somos essência digladiando com o ego constantemente. Muito reflexivo. Luz e paz. Beijo no coração

SOLIDARIEDADE disse...

Nossa essência urbana nunca abdicará desse lado materno que a natureza íntima de todos guarda como refúgio das tramas, armadilhas, insanidades e behaviourismos dessa nossa natureza urbana/humana.
Abraços, poetisa Nara.