frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quarta-feira, 5 de março de 2014

(A)MaR INFINITO


Adoro olhar o mar

E acho linda a forma dele se declarar

Quando abraça a areia

Levando e trazendo

A espuma de sal
O sal do desejo
Com o sabor do beijo
E seu cheiro de amor!
No movimento de ir e vir...
O mar torna-se amante apaixonado
Abraçando a areia
Beijando-a com ardor,
E parecem trocar carinho
Fazendo amor devagarinho...
E quando a onda se derrama pra amar,
E cobre a areia totalmente
Deixando-a molhada e quente,
Em êxtase a areia deixa-se abraçar
Se entregando loucamente
Por um tempo que parece infinito
ao prazer com que as ondas vêm lamber-lhe
Quase lhe arrancando gemidos...
E depois se vai, lentamente
Deixa-a banhada com sua espuma quente
E a lembrança de um gozo infinito
Que se repete novamente, infinitamente... 
(NLC )

Um comentário:

Lucy Mara Mansanaris disse...

Boa tarde minha amiga querida.

Ah eu estou muito feliz por ter te encontrado aqui.

Amo as características de tua escrita. Linda obra, intensa e sonora como o mar, amei, parabéns!

Um beijo no teu coração, lu.