frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sexta-feira, 14 de março de 2014

DESENGANOS



Quanto de mim nunca dei...
Com medo de não ser amada
Quanto de mim eu guardei,
Por medo de ser machucada
Num cofre eu me enterrei,
Sem guardar as coordenadas.
... E agora? 
Sobrou-me nada.


Sobrou-me nada.
...E agora?
Sem guardar as coordenadas
Num cofre eu me enterrei,
Por medo de ser machucada
Quanto de mim eu guardei,
Com medo de não ser amada
Quanto de mim nunca dei...


( NLC Poesias )

2 comentários:

Sonia Gonçalves disse...

Seu blog está escandalosamente bonito e com muito bom gosto e quanto aos poemas...maravilhosos!

REGINA PESSOA disse...

por medo de nos machucar novamente a gente acaba se fechando para o amor e assim perdemos a chance de encontrar um verdadeiro amor, teu blog esta belíssimo, poesias que enchem os olhos de qualquer leitor, bjs