frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

segunda-feira, 3 de março de 2014

EPÍLOGO DO AMOR


Serei apenas a música de despedida.
Não chore. A história acaba aqui.
Deixo-te e vou-me embora.
Vês. Também choro


Pra sempre sozinha ouvirei então
Serás a música da minha vida
E teu choro não será em vão
Também lágrimas turvam-me a vista


Não serei a lua coberta pela nuvem nua.
Não serei o caminho.
Apenas uma estrada de chão.
Que balança, machuca e quebra o coração
.

Os sonhos serão esquecidos
Perdidos no pó dessa estrada
Seremos agora noites e dias frios
Separados pela mesma madrugada.


À noite te verei em cada estrela.
Rezarei no quarto solitário e triste.
Distante estará vagando pelas madrugadas
O amor que não mais existe.


Fiz do amor meu maior segredo
Ancorei, e me escondi no teu cais
Na fúria das ondas, de novo tenho medo
Em mar aberto, agora longe demais.



(NLC e Moacir Luis Araldi )

4 comentários:

Moacir Araldi disse...

Obrigado por compartilhar amiga poetisa. Está aqui o mais lindo dueto que já fiz. Teu blog tá lindo. Te desejo muito sucesso. Estou orgulhoso e honrado de ver aqui nosso poema. Parabéns poetisa da sigla misteriosa. Fica com Deus. Bjo.

NLC POESIAS disse...

Obrigada poeta! Uma honra tê-lo aqui, esse duo é realmente muito especial. bjsss

Moacir Luís Araldi disse...

Não canso de ler. Ficou muito lindo.

NLC POESIAS disse...

concordo contigo poeta, a forma como os versos se completam é perfeita, adoro lê-lo também