frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quinta-feira, 3 de julho de 2014

AS ASAS QUE EU TINHA




Eu tinha umas asas brancas, 
Eram asas que um anjo me deu, 
E quando eu me cansava da terra
Podia abri-las, e o céu era todo meu.

Eram tão brancas as minhas asas, 
Brancas como as do anjo que me deu
Era inocente como as puras almas 
Por isso sentia o céu tão meu. 

E quando em noite de luar
Desejava ver de perto o céu estrelado
Com minhas asas brancas podia voar
E viajava ao alto em voos encantados.

Mas a vida me contaminou 
E parei de contemplar as estrelas
Tão presa à terra meu coração ficou
E nunca mais voei para vê-las.

E as minhas asas brancas, 
As asas que um anjo me deu, 
Pesaram-me em minhas andanças
E toda a magia se perdeu. 

Enfim toda a pureza esqueci 
Ao provar ódios e amores
O doce e o fel conheci 
E o ácido prazer das dores. 

E as minhas asas brancas
As asas que um anjo me deu, 
Dia a dia a vida me arranca 
E o céu nunca mais foi meu.

( NLC )

7 comentários:

Nilson Ferreira disse...

As palavras te dá essas asas, e a gente lendo, sente vontade de voar, para qualquer infinito de poesia.
Bjo.

Chagas Neto disse...

Tuas asas podem estar a cair, mas anjo és querida, menina e mulher... Sempre lindas linhas, parabéns pelo escrito, parabéns pelo blog. Beijosssss!!!

SOLIDARIEDADE disse...

A dor de uma transição, da metamorfose de uma vida de sonhos e desejos, para uma realidade ignóbil e atroz deixa-nos tantas sequelas no coração que até as esperanças são proscritas.
Abraços, NLC

Yehrow disse...

Boa noite, Narinha!
É sempre com imensurável prazer que visito seu blog. não esqueço nunca os amigos. E este prazer é sempre premiado por poesias tão lindas e surpreendentes, prova disso é essa que li e reli pela suntuosidade da temática. Vivemos num mundo que de certo ponto de vista é repleto de magia. Também não é ficção os relatos sobre anjos caídos. Portanto, sua poesia diz bem mais que olhos leigos podem e sabem o que estão a ler. Não sei, se o sabes, mas, é de grande profundidade o que escreves-te. Eu, a louvo por isso.
Parabéns!

Anônimo disse...

Linda poetisa, teus versos alados fazem-se de asas neste voo de inspiração. Beijos de saudade...

Emmanuel Almeida disse...

Crie suas próprias asas, permita que elas nasçam e se criem de você, não voe com asas que não sejam suas. (Apenas uma analogia) Criativos e belos(encantadores) seus versos, Poeta!

Emmanuel Almeida

SeJogaNaArte! disse...

muito bela sua poesia, faz refletir...