frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

MORRENDO DE POESIA



Sinto as dores em minha poesia
Doerem nas pontas dos meus dedos
Mostrando todos os  meus medos
Que tentei esquecer durante dia

E dói-me intensamente 
Também as asas ... E penas
No peito, nas costas e na mente. 
Doem-me  todos os meus poemas 


E isso já é um sintoma
Do ataque, que me jogará ao chão 
Sem palavras para curar os hematomas 
E impedir essa dor de chegar ao coração! 


Não há remédio para essa tortura 
Já se transformou em lírica septicemia 
É grave e não há mais cura 
Sei que vou morrer de Poesia!... 

( NLC Poesias )

3 comentários:

Samuel Balbinot disse...

Boa tarde querida Nara.. só a poesia nos faz revelar este lado que esta dentro de nós.. as vezes doendo, nos apunhalando.. mas quando lançamos ela em versos as dores vão se esvaindo de nosso interior..
adorei as rimas sintoma e hematoma rsrs
não lembro de as ter usado e olha que eu tenho rimas rsrs
na hora propicia quem sabe as coloco..
parabens poetisa.. beijos e até sempre

Anônimo disse...

SERGIO NEVES - ...um primor de inspiração! / ...uma simbiose perfeita: NLC/Poesia -imortal! / Meu carinho.

Nilson Ferreira disse...

Doce versos
Versa O inverso
De tudo que eu queria
De tanto querer, quereria
Viver aos poucos
Morrendo de poesia.
"MORRENDO DE POESIA" LINDO TÍTULO E MARAVILHOSO POEMA.