frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

CHUVA DE POESIA




É tempo de estiagem


Por aqui tudo é tão seco


Embarco então numa viagem


Que me traga aconchego


E os versos de rima tão dura


Viram poema no meu céu


Se tornam gotas de chuva


Libertam-se do papel


E vão molhar as ruas


Encher rios e represas


Molhar a terra e a plantação


E a poesia que era seca


Vira chuva de inspiração


E vejo a rua molhada


O mundo banhado de poemas


Os versos úmidos da madrugada


Transformam-se ao raiar do dia,

Os sonetos que eram enxurradas


Viram poças de poesia

E as letras gotejando dos telhados

São  lembranças dessa insana fantasia. 


4 comentários:

Nilson Ferreira disse...

Vejo rios de palavras, profundas e carregadas de mistérios, como um rio. Imaginei a chuva caindo, gotejando do céu, no coração de um Poetisa sensível à contar as gotas e assim, transformá-las em palavras.

Sempre arrasando!
Bjo.

Samuel Balbinot disse...

Muito boa tarde minha querida poetisa..
cada vez que te leio sinto tua alma transbordando alegria..
tu abordas todos os temas com muita maestria..
cada frase me encanta pois ao chegar no final dela vejo lá as rimas que tanto amo.. e todas muito bem deixadas dando a sonoridade essencial a poesia..
beijos meus Nara..
um lindo dia e até sempre

Sonia Gonçalves disse...

Não encontro palavras pra elogiar seu trabalho poetisa...Sem falar o gif um arraso...Tudo mais que perfeito amiga...Parabéns!!!Beijosss

Moacir Luís Araldi disse...

Lindo. Parabéns pelo teu talento. Bjos