frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

O VERDADEIRO NATAL



É triste e claramente evidente 
A cada ano, se repete novamente
Esquecem-se de celebrar o nascimento
Festejando a morte de nobres sentimentos!
 

Consumiram o Natal de véspera,
Com amigos ocultos num papel
A data foi devorada por festas
E todos os créditos são para o “Noel”


 O brilho opaco dos presentes, ilude a massa 
Tornaram-se atores, transbordando alegria
E o natal passa a ser apenas, mais uma data.
“De bolsos cheios, e almas vazias…”


Uma noite de grande abundância
Regada a bebidas em finas taças,
Perde-se a cada dia a esperança
De se encontrar a verdadeira Graça...


 Quero a magia de volta no ar.....
A comunhão entre família e amigos
O verdadeiro Natal festejar
Exaltando o nascer de Jesus Cristo... 


Quero que o Espírito de Natal
Seja mais que enfeites numa árvore brilhante
E que todos se lembrem,  afinal
De convidar para a festa o aniversariante…
 



NLC e YAGO DAVID

5 comentários:

Nilson Ferreira disse...

Que o aniversariante realmente seja o centro. Belo!Adorei a conclusão do poema.

Angelo disse...

Um poema que leva à reflexão... de forma crítica e inteligente! Que nos fazer despertar para o advento da vinda do menino Jesus. Que o Natal de cada um de vocês seja realmente um tempo de celebração do nascimento do Cristo Salvador do mundo e Salvador dos homens. Um santo e FELIZ NATAL pra vocês!

José Benício disse...

Um lindo presente de Natal poder ler esse belíssimo poema, parabéns aos poetas brilhantes.
abraços e Feliz Natal

Samuel Balbinot disse...

Boa tarde poetisa querida..
como falamos algumas vezes.. todo mundo só se lembra de vc nesses dias.. natal vai bem além do que dizem.. tenho livros que mostram outras coisas inclusive sobre o nascimento de Jesus.. foi em fevereiro não em 25 de dezembro.. natal hj e tem sido por muitos anos epoca de consumismo.. bela escrita com vosso amigo.. beijos e até sempre Nara

Sonia Gonçalves disse...

Boa noite Narinha...Como disse o Balbinote Jesus não nasceu em Dezembro...Apenas uma adequação conveniente da igreja católica...mas o consumismo presente está em todas as datas fabricadas...contudo penso eu que nem é de todo ruim, pois há quem fique feliz em ter pelo menos uma vez ao ano a lembrança e a visita de um filho ou outro parente distante...já que é mês de férias e as pessoas aproveitam pra isso...Não digo que seja certo o consumismo desenfreado isso já é outra história...Mas há também a grande confraternização que se dava sempre ao final do ano para festejar a "colheita" do ano festa essa que é muito mas muito antiga mesmo...quero dizer existe todo um conteúdo consistente existente em certos festejos...Você e o poeta Yago arrasaram viu Nara deram um banho de boa percepção sobre o assunto....Bejosss Parabéns para os dois....