frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

PASSARINHO


PASSARINHO

Era um  pequeno  passarinho
Que ainda antes de aprender a voar
Ficou sozinho e  caiu do ninho
E não conseguia mais voltar

E surgiu uma mão amiga
Que o pegou do chão com carinho
O acolheu e curou-lhe as  feridas
Mas deu-lhe a gaiola como ninho.


A gaiola ficou pequena com o tempo
E livre o passarinho sonhava ser
O canto alegre, tornou-se um lamento

Queria bater asas e desaparecer

O passarinho só deseja ser feliz
Mas solto pelo mundo vai se perder
E ainda hoje algo me  diz
Que preso, esse passarinho vai morrer

NLC

3 comentários:

Sonia Gonçalves disse...

Conheço a sensação...Esse passarinho é frágil e forte ao mesmo tempo...Mas vai tecendo tecendo seu ninho quando estiver fortalecido saberá voar...Lindo e comovente teu poema poetisa amei...Bjosss

Ana Bailune disse...

Quem cuidou do passarinho pediu um preço alto demais.
Lindo poema, gostei também do que não está nas linhas, e sim, nas entrelinhas.
Feliz natal!

Samuel Balbinot disse...

Bom dia poetisa querida..
um tema bem abordado no qual não posso falar muito pois temos dois e ficam no meu quarto.. um canário belga que não para de cantar o dia todo e outro que lhe faz companhia.. não entendo muito.. mas soltos dizem que eles não saberiam achar comida.. pelo menos estes tipos..
o pai sempre gostou pq alegram as manhãs mas sei que o bom mesmo seria eles a voarem livres como a gente quer ser tb.. bjs e lindo dia