frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

segunda-feira, 7 de julho de 2014

(IN)VERDADES












(IN)VERDADES



Num caminho de retas e curvas


E de curvaturas




 Há tantas verdades



Com peso e medida



Que são mentiras.... Despidas.






Um caminho de ( in)verdades



Com delicados disfarces



Molhadas alegorias



Na chuva da realidade



Que cobrem  almas vazias



de fantasia...




( NLC )

quinta-feira, 3 de julho de 2014

AS ASAS QUE EU TINHA




Eu tinha umas asas brancas, 
Eram asas que um anjo me deu, 
E quando eu me cansava da terra
Podia abri-las, e o céu era todo meu.

Eram tão brancas as minhas asas, 
Brancas como as do anjo que me deu
Era inocente como as puras almas 
Por isso sentia o céu tão meu. 

E quando em noite de luar
Desejava ver de perto o céu estrelado
Com minhas asas brancas podia voar
E viajava ao alto em voos encantados.

Mas a vida me contaminou 
E parei de contemplar as estrelas
Tão presa à terra meu coração ficou
E nunca mais voei para vê-las.

E as minhas asas brancas, 
As asas que um anjo me deu, 
Pesaram-me em minhas andanças
E toda a magia se perdeu. 

Enfim toda a pureza esqueci 
Ao provar ódios e amores
O doce e o fel conheci 
E o ácido prazer das dores. 

E as minhas asas brancas
As asas que um anjo me deu, 
Dia a dia a vida me arranca 
E o céu nunca mais foi meu.

( NLC )

terça-feira, 1 de julho de 2014

CRESCENDO




Calei os sonhos

E acordei para a vida.

Cresci, que pena,

Deixei de ser menina!

E agora o que farei?

  Viverei!!!

Sonhos?!

Sim, terei.

E talvez em alguma noite, quem sabe,


Nos sonhos mate a saudade,

Daquela menina que andava comigo.

E quando de manhã acordar,

Terei nos lábios um sorriso triste,

Um gostinho de saudade,

Ao ver que ela não mais existe.

E no peito nascerá uma enorme vontade

De chamar a menina pra pertinho,

E tê-la dentro de mim,

E lhe dizer bem baixinho,

Que bom que você está aqui,

Pois eu sonhei que cresci...


NLC