frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

DE VOLTA À INOCÊNCIA



Para nos encaixar nesse mundo
É preciso amadurecer, crescer... Ser
Vestir roupas de adulto
E deixar a criança adormecer

Crescemos demais...
Esquecemos da simplicidade
Da amizade
Das flores e dos animais


Crescemos demais
Perdemos a inocência
Perdemos a paz
Perdemos nossa essência


Criamos um mundo prático
Onde as pessoas se tornam descartáveis
Os sorrisos são de plástico
Somos adultos fúteis!



Escondidos atrás de máscaras
Que nos obrigam a usar
Os sentimentos tornam-se nada
Quem vai se importar?


Ficamos maduros
E os sentimentos apodrecidos
Tornamo-nos inseguros
Egoístas e distraídos.



E há um abismo profundo,
Quando olho para dentro de mim
Sinto vertigem de ser adulto
Pois em algum lugar eu me perdi


E com tantos descaminhos
A gente segue e deixa a vida para trás
Buscamos flores entre os espinhos
Nas lembranças de um tempo que não volta mais.



Saudade da lua cheia da minha infância,
Das histórias contadas em noites escuras
Iluminavam meus sonhos de criança
E agora nada ilumina minhas noites adultas



Quero voltar àquela menina sapeca
Dos sonhos 
Dos olhos risonhos
Que brincava de bonecas...



Quero de volta a poesia
E viajar nas asas do vento
Encontrar a menina que  fui um dia
Há muito... Muito tempo



Quero uma vida de verdade
Na intensidade, poesia plena
No fundo eu só quero ser grande
Sem deixar de ser pequena.



NLC  &  ABÁ MORENA

7 comentários:

Paulo Pereira disse...

Admirável duo. A excelência expressada nos versos. Isso é o que acontece quando duas poetisas de tamanho gabarito se juntam. Parabéns.

Anônimo disse...

Amei amiga,ficou lindo,tu és talento puro!Parabéns a nós gatahhh!

Samuel Balbinot disse...

Boa tarde querida Nara..
e quantos de nós tem sufocado a criança interna..
quando ficamos adultos queremos nunca ter sido pq perdemos toda a pureza por vezes.. temos de voltar ao tempo maravilhoso.. bjs e até sempre

Unknown disse...

A Poesia fala por ela mesma, cada qual no seu estilo de vida, estilo de versos, entradas e saídas! Parabéns

Emmanuel Almeida

Yehrow, Adônis, ou quem quiser eu seja. disse...

Quem de nós um dia não sonhou ser além daquilo que somos. Podemos e todos podem, admirar as flores que insistem e renascem as margens desse mesmo caminho, entre pedras e espinhos, colorindo-o sem perguntar-nos se devem ou se agradam suas matizes, sem nenhuma pretensão em ser parte de nossa vida e sonhos. É sempre bom ler você. Parabéns a ambas Poetisas. Um lindo Ano de 2015! Abraços poéticos do Amigo.

Sonia Gonçalves disse...

Bom dia Narinha!!!!Meinha poeta amiga...Que coisa encantadora...Nossa muita química...longo??Nada a gente queria mais é continuar esse colar de pérolas mais e mais e mais....Perfeita as duas desfiaram as lembranças da infância que nos falta...Parabéns amiga...Beijãoooo

Lucy Mara Mansanaris disse...

Lindo duo de duas queridas!
Sim, crescemos rápido e muita coisa fica para trás, e, a isso damos o nome de evolução, maturidade... Se estamos certos não sei, só que complicamos demais, rs...
Amei, deixo um beijo em cada uma, parabéns pelo labor meninas!