frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sábado, 3 de janeiro de 2015

REFÉM DE UMA PAUTA


Em dó maior eu me perdi
Chorando em claves ,minha sina
Minhas dores e dissabores canto aqui
À procura de um tom que me defina.

Com meus risos, minhas crenças
Que me enfeitem como rendas
E disfarcem meus problemas
Que me prendem feito um nó.


Sou refém de uma  pauta
Que num canto sem tenor
Sem querer desafinou
Quisera ser re-musicada...
E sonhei haver um maestro
Que numa sinfonia encantada
Refizesse minha partitura
E me entoasse com ternura...
E talvez ao me dedilhar
Com suas notas doces e serenas
Eu pusesse então entoar
Mesmo que uma canção apenas...

NLC

4 comentários:

Anônimo disse...

SERGIO NEVES - ...menina, foste muito feliz nesta tua encantada inspiração,...de uma beleza inusitadamente mágica!...fez com que a minha imaginação voasse -me senti sendo esse tal maestro a refazer a tua partitura, a te entoar com ternura, a te dedilhar com notas doces e serenas... / Meu carinho.

Anônimo disse...

A Poeta demonstra sabedoria e diversidade nos versos, a criatividade encanta pela suavidade da imagens descritas.


Emmanuel Almeida

Yehrow, Adônis, ou quem quiser eu seja. disse...

Glamour a cada verso, numa sincronia perfeita. Aplausos sinceros...

Sonia Gonçalves disse...

Maravilhoso poema NLC que lindíssimo amiga!!!!Aplausos muuitíssimos...Versos inspiradores...Beijos