frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sábado, 7 de fevereiro de 2015

VERSOS NA AREIA




Rabisquei nas areias do deserto

Em solos gretados e ressequidos 

Palavras, que me escapavam em versos

Formando poemas entristecidos


Em paisagens abandonadas

Latejando o verbo de dores,

Em áridas letras rimadas

Fugiam-me as palavras doces


E em cada grão de areia eu via

Pedaços da minha vida

Lembranças que em meus versos escrevia

Minhas dores e amores viravam poesia


 
E quando o vento então soprar 

Espalhando as  letras pelo mundo inteiro

As lembranças em versos irão se tansformar

Em tempestades de poemas verdadeiros
 


E quando as torrentes do Neguebe desaguarem

Florescerá onde antes era deserto

Se minhas  ideias plantadas desabrocharem

Talvez  (re)nascerei em cada verso.


 NLC

2 comentários:

Samuel Balbinot disse...

Boa tarde poetisa querida..
e que assim seja.. que possas deixar nas areias os versos teus seja de amor ou de tristezas.. a areia sempre os apaga.. nossa alma tb pode apagar ou glorificar.. beijos meus e até sempre

Sonia Gonçalves disse...

Versos lindíssimos compostos nas areias de sua poética estilosa!Beijos