frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

terça-feira, 24 de novembro de 2015

PERDI-ME





Eu tinha um velho álbum de fotografia



Onde estão as lembranças do que perdi


E relembro a menina que fui um dia

E que hoje anda tão longe de mim


De um olhar inocente e sorriso confiante

Tinha sonhos que na memória eu guardei

Conceitos e valores que eu conhecia antes

E hoje por onde anda , eu já nem sei



Espantoso é constatar que só agora percebi

O álbum que continha o meu olhar e o sorriso

Nos caminhos por onde andei, eu o perdi

E dele me esqueci, sem eu me dar por isso


E doeu-me muito perceber e relembrar

Deram-me as lembranças e a memória

Despedi-me de mim sem mesmo notar

Que em algum lugar deixei a minha história


Eu tenho pena da menina do retrato

E choro ao lembrar o sorriso que ela tinha

Perderia em algum lugar do meu passado

A alegria, a inocência , a confiança... E ela nem sabia

(NLC Poesias)

Um comentário:

Ana Bailune disse...

pois eu acho que ela está aí dentro, e sempre estará. Linda poesia!