frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quarta-feira, 22 de abril de 2015

O CAVALEIRO DA ARMADURA DOURADA






Num reino muito distante 

Uma certa vez  havia

Um lindo cavaleiro errante 

Que dentro da armadura escondia 

Um coração de diamante 

Mas isso ninguém sabia... 



Passeava por entre as flores 

Daquele jardim colorido 

Chamando-as pelo nome 

Com ares de amigo... 

Mas sua armadura reluzente 

Não era bem compreendida 

Caminhava impavidamente 

Entre flores e poesia... 



O cavaleiro sempre  em frente seguia

Fazia entre as flores seu caminho 

Colorindo e perfumando o seu dia

Sem contudo se ferir nos espinhos

E assim por muito e muito tempo

As suas batalhas sempre vencia ...

Se dragões ou moinhos de vento

Isso nem ele mesmo sabia



(Além das Siglas - NLC  Poesias)









sexta-feira, 17 de abril de 2015

QUEM SABE, AMANHÃ...

Rascunhei ideias sobre a minha pele
Rabiscos de rimas incertas
Desenhei sentimentos sobre a epiderme
Desejos contidos numa prosa aberta
À procura das palavras certas...
E quem sabe no futuro
Escreva as letras de todas as frases
Encontre os versos que procuro.
E descubra um alfabeto
Secreto
Que caiba meu nome completo
E deixe-o solto pelo ar...
Quem sabe amanhã, o cinza vira azul
O sol volte a brilhar
E eu abra o baú
Onde aprisiono a poesia
Solte as palavras, deixe-as voar.
E vá com elas, nas asas da fantasia...


NLC

terça-feira, 14 de abril de 2015

VERSOS TORTOS



De repente
Ao vazio se lançava
Sem motivo aparente
E o verso já não rimava

Quebrou-se a poesia
Em meio a cacos
de xícaras e copos

Em plena luz do dia

Eis um poema quebrado
Em versos bobos
Em verbos tortos
E mal rimados

E a poesia
 Pelo chao espalhada
Como sangue escorria
Das veias cortadas

NLC

terça-feira, 7 de abril de 2015

ESPELHO




Espelho eu tenho medo
De me perder de mim
Tantos caminhos e segredos
Que me fazem ser assim
Espelho eu te suplico:
Muitas mãos me sufocando
Ninguém ouve o meu grito
Escondo o meu pânico
dentro de um olhar aflito.
Espelho eu te peço
Eu quero de novo a alegria
Que tinha sempre comigo
O meu mundo de fantasia
Devolva o meu riso perdido
Renove a minha alegria
Antes que eu me conforme
E deixe morrer quem eu fui um dia.
NLC

quarta-feira, 1 de abril de 2015

DEU A LOUCA NAS PRINCESAS



Uma reivindicação inusitada
Parece primeiro de abril
O movimento das princesas desencantadas
Loucura que nunca antes se viu!!

Mas tem certa razão, as coitadas
Já cansadas das promessas da fada madrinha
Que dizia pra dormirem a vida inteira
Revoltaram-se com essa história da carochinha

Prometeu-lhes um reino encantado
Que felizes para sempre iam ser
Mas depois de beijarem tantos sapos
Resolveram essa história esquecer

Tiveram que ir ao baile de penetra
Com roupas sem estilo e sapatinhos de cristal
E aguentar o príncipe durante toda a festa
O resultado foi  muitas bolhas no pé, ao final

Os tais sapatinhos eram desconfortáveis por demais
E o príncipe tão chato que tiveram que fugir
Pra esse conto não querem voltar nunca mais
Não adianta ninguém insistir...


Decretaram no reino uma greve geral
Querem ser Belas, nunca mais adormecidas
Desistiram do príncipe, só querem o lobo mal
E loucas, querem ser felizes por toda a vida...

NLC