frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quinta-feira, 28 de maio de 2015

# SORRISOS E ASAS #




Plantarei flores em meu jardim

E edificarei minhas paredes

Desenharei poemas em mim 

Palavras sutis, tecendo redes. 

Devagar construirei meus sonhos 

Libertando sorrisos e asas 

Guardarei nas malas pensamentos medonhos 

Com vontade de abrir as vidraças. 

Sairei pelo portão e caminharei pela rua 

E em cada esquina em que eu morrer, 

Nas idas e vindas da lua, 

Que outra vez consiga renascer . . . 

Traçarei um novo rumo 

E nas asas do meu sonho hei de viajar 

Enfrentarei os buracos mudos 

Que querem me impedir de caminhar 

NLC Posias

domingo, 24 de maio de 2015

POETA E POESIA


POETA E POESIA

Tantas noites desenhadas
Em palavras de desejos
Escrevendo em madrugadas
Onde letras viram beijos

Num alfabeto os sentidos
Em poesia são libertos
Onde os versos são gemidos
E conjugam tantos verbos

Em sonhos hão de se encontrar
Numa noite, o poeta e poesia
E poderão então se amar
Entre as rimas de magia

O poema cria corpo
E vai se escrevendo assim
São letras banhadas num jorro
Entre lençóis de cetim

NLC

domingo, 17 de maio de 2015

POEMA DE ESTRELAS



Sonhei fazer um poema de estrelas

Uma a uma numa linha prendê-las

Num lindo colar feito de ilusão

E dar-lhe forma de constelação


Roubá-las do céu e numa linha

Prendê-las em meu pescoço

Iludir-me, pensando serem minhas 

Roubar-lhes o brilho, cobrir-me d’ouro 


Mas a noite sombria há de ser

E o céu de luto irá se converter

No alto apenas um escuro de breu

Por causa de um sonho que é só meu

NLC

quarta-feira, 13 de maio de 2015

DOCE (DE)LEITE




Doce deleite dos teus braços
Beijo de saliva, lambuzado
Dedos contornando os traços
Desatando os meus laços 


Boca que sufoca gemidos
Dedos atrevidos que enlaçam
Deslizam... Eriçando os sentidos
Vasculham, exploram, encontram


Entre suspiros e promessas 
Envolta em lençóis de cetim
Um desejo que não cessa
Um prazer que não tem fim...


Jorrando da fonte desejos
Provo o doce que me banha
Entre suspiros e beijos
Dessa loucura tamanha

NLC poesias

MISTÉRIOS DE UMA SIGLA



Pergunto-me nas noites escuras,
Quando virá a primavera
Acalento com brandura
Tantos sonhos e quimeras.
Um enigma em minhas mãos
Que por vezes me escorrega
Brilho intenso,facas cegas
Sangue e suor de orações
Em conflitantes emoções.
Trago riscado nas palmas
As dores da minha alma.
São mistérios bem guardados
Que moram em meu coração
As marcas dos meus medos
Que não saem com sabão
E não há quem possa lê-los...
São mistérios que apenas
Uma sigla há de conter
São letras que fazem poemas
E enfeitam meu viver
São três consoantes apenas
Mistérios de NLC.

(NLC)



sexta-feira, 1 de maio de 2015

SEM ASAS VOEI



Não tinha asas... Mas voei
E o mundo fantasiei
Não era livre...Mas me libertei
E nas nuvens descansei.
Não era real... Era meu sonho
Viajei pra outro universo.
E no poema que componho
É a rima que faltava em meu verso
Não era lógico, e enlouqueci
A loucura se perdeu da razão
Eu quis sonhar e ser feliz
Sem querer explicação
Se foi mar ou furacão
Ainda não sei dizer...
Se é verdade ou minha imaginação
É o que me fez (re)viver
NLC