frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

SEDE DE JUSTIÇA



Paira no ar uma sede de justiça 

Há um grito preso na garganta 

Queremos a balança aferida 

Um desejo que em todos se agiganta: 

Que o dono do dinheiro na Suíça 

O motorista que matou embriagado 

Como aquele que se omite por preguiça 

De uma mesma forma sejam julgados 

Com o mesmo peso e a mesma medida 

Que a lei que hoje julga o engravatado 

Sem subterfúgio ou regalia 

Seja a mesma que condena o favelado. 

Que as algemas que prenderam o estudante 

Que lutava pela sua educação 

Seja usada daqui por diante 

Nos pulsos que praticam a corrupção. 

Que o ditado popular seja mudado 

Que caiam as vendas, e afiem a espada!!!! 

Que a impunidade tenha o fim decretado 

Que nossa dignidade seja resgatada 

Que a vergonha que hoje nos cobre 

E causa a todos indignação, 

Não importa se ricos ou pobres 

Nem a cor, sexo ou religião 

É o povo que agora se descobre 

Somos nós os donos dessa nação!!

(Além das Siglas- NLC Poesias)

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

MEU ABRAÇO



Enlacei meu corpo num abraço
vários nós presos num só laço
num espaço que agora é só meu
Resto de esperanças e cansaços
Misturados nesse todo que sou Eu...

Como dança que chega ao seu fim
descanso agora os meus passos
cansaço toma conta de mim
envolta em vários laços
O meu corpo e o meu Eu, enfim!


E no laço em que me enlaço
Encontro a mim mesma e então
Poder estender meu abraço
Ao meu próximo,ao amigo,ao irmão...


NLC Poesias

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

A BAILARINA


A BAILARINA


Havia uma linda bailarina 
Numa caixinha se encontrava,
Ao dar-lhe corda a tampa se abria,
Ao som da musica ela dançava.

Rodopiava a linda bailarina 
Em teus movimentos fantasticos,
Encantava os olhos da menina,
Que não sabia que era de plástico.

Nesses movimentos tão mágicos 
Escondia-se a tua tão triste sina,
E enganava os olhos da menina.

Pois nessa caixinha a bailarina
Sonhava em ser aquela menina,
Que livre, era feliz e não sabia!!

NLC Poesias

domingo, 6 de dezembro de 2015

EM VERSO E PROSA




Serei tua em verso e  prosa
Num  poema úmido de paixão
Serei tua,  e minha úmida rosa
Desde o desabrochar  do botão


Quando me vestir de versos serei tua
Quando traduzir metáforas de mim
Quando arrepiar minha  pele nua
Tocada por teus verbos e rimas enfim

Despir-me-ei e me despedaçarei
Nas  frases  incompletas em  meus versos
Nas estrofes que pra ti eu criei
Corpos celestes habitando  esse universo

Serei tua desde o meu  princípio
No  poema rasgado de desejos, assim
As  minhas  letras úmidas  desde o inicio
De desejo... Serei  tua até o Fim...

NLC Poesias