frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

DESESPERADAMENTE MUDA


Faço um minuto de poesia
Quando o silêncio mais alto me dói

Do que a palavra vazia

De sentimentos que o coração corroi.

E repito o mesmo verbo incansavelmente
De dor e desespero em mudo grito
Até que o poema se canse de ser diferente
E adormeça em um verso mal escrito...

Pra eu poder libertar os meus "ais "
Gritar todas as dores num segundo
E os meus versos se tornarem reais
Meus pobres versos vagabundos,
Como tantos outros, doloridos e iguais
Aprisionados por silêncios tão profundos...

NLC Poesias - Além das Siglas
NLC Poesias

3 comentários:

Anônimo disse...

SERGIO NEVES - ...a mudez desesperada mais poética que já vi! ...uma mudez de uma portentosidade gritante! / ...deveras me encantou! / Carinhos, Nara.

Anônimo disse...

...

SOLIDARIEDADE disse...

Uma bela construção poética onde pululam sentimentos contrastantes e tão ricamente trabalhados.
Parece um belo mosaico de Ravena.
Beijos, poetisa.