frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sábado, 30 de abril de 2016

O ACENDEDOR DE CORAÇÃO







O Acendedor de Coração
Passou aqui certo dia
Trazia em seu alforje sedução
Que usava em sua poesia 
E com ela alimentava a ilusão 
Pois usava das técnicas que sabia 
E com isso tinha a pretensão 
De acender um sonho que já morria

O acendedor com a sua lança
Remexeu em antigas emoções desfeitas
Quis reacender a confiança
Usando regras que ele mesmo desrespeita
Nas noites enluaradas traz esperança
Mas penso que é no escuro que ele se deita

Pois tantos corações ele próprio havia acendido
Porém o seu coração continua sempre apagado
Há algo guardado que sempre o  havia impedido
Que o clarão da luz em seu  coração seja irradiado...

 NLC Poesias



quinta-feira, 28 de abril de 2016

DESEJOS & VINHOS




Trago ainda nos lábios

O sabor do tinto vinho

Sorvido em goles ávidos

Entre beijos e carinhos


Guardo carícias esquecidas 

Nas entranhas do meu corpo 

Rememorando as sensações 

Na boca remanescente gosto


Em desejos saciados lentamente

Envoltos em mistérios e segredos

O corpo agora pulsa fogo ardente

Saliva e vinho dão sabor aos nossos beijos


Na libido intensamente acessa 

Minha carne incontida anseia 

Pelo seu líquido quente e viçoso 

Que na minha pele incendeia 


Pela lareira acesa aquecidos 

Brindamos loucuras em chamas 

Derramas sobre o meu corpo despido 

Sedução, vulcão em lavas...Me ama!


Num misto de amor e desejo 

O orgasmo chega e queima-me todo 

Perco-me e encontro-me pleno 

Mesmo saciado quero-te de novo



NLC Poeisas & Edy Simão

terça-feira, 26 de abril de 2016

VERSOS INCOMPREENDIDOS




Eu sou uma estrofe apenas
Escrita um pouco a cada dia 
Queria ter nascido um poema
Mas nasci rascunho de poesia

Ainda sou verso a escrever
À procura das letras corretas  
Se não me entendem ao me ler
É por ainda não estar completa


Já tomei sopa de letrinhas no jantar
Já comi pão com lágrimas na madrugada
Já tentei metricamente em sonetos versar
Mas a verdade é que sou mesmo inacabada

Quisera ter nascido um poema claro e bonito
Desses que os sentimentos  fácil se exponham
Mas sou versos surreais e tão incompreendidos
Aos olhos letrados das pessoas que não sonham

(Além das Siglas - NLC Poesias)

Também em áudio


sexta-feira, 22 de abril de 2016

SONETO SEM ASAS



Ahhh!! Mesmo quando eu era um pássaro ainda.

Quis alçar o meu voo rumo ao infinito.

Sentia a liberdade intensa e infinda

Podia ser então silêncio ou grito.


Pois havia em mim uma imensidão

Eu era  caçadora e também fera,

Várias notas em uma só canção

No verão eu tentei ser primavera.



De carne e alma o meu ser foi todo feito

A mente sempre esteve a me indagar

Mas sou eu mesma com o mesmo jeito.



Então guardei as asas do sonhar

E as rimas guardei dentro do meu peito

É hora de aprender a caminhar.


(Além das Siglas - NLC Poesias)

quinta-feira, 21 de abril de 2016

ENTRE NÁRNIA E PASÁRGADA






Vou- me embora para Nárnia!

Lá o Grande leão Aslam é o rei

É bem mais longe que a Ásia

E coroada princesa eu serei



Vou-me embora para Nárnia!

Lá a magia é corriqueira

Terei ninfas e faunos como amigos

Lutarei contra a branca feiticeira

E lá eu saberei quem são meus inimigos...

Na eterna luta entre o bem e o mal

Minotauros, sátiros e unicórnios

São soldados num exército surreal...



Em Nárnia eu quero morar!

Lá viverei em um castelo

Um jardim em terra árida hei de plantar

Nárnia é um universo paralelo

Pra onde eu quero fugir

Lá nascem flores sem espinhos

E poderei colhê-las sem me ferir.

E se por acaso sentir alguma dor

Que seja no corpo ou na alma

Há sempre doses generosas de amor

Que é o antídoto que nos cura e acalma.

E quando na madrugada sentir saudade

Daquela saudade que dói e machuca

Pedirei a um cometa por caridade

Que a leve em sua cauda como chuva



Se a ti parecer bobagem estas palavras

O querer viver em Nárnia dessa maneira

Eu lhe digo que é como ir para Pasárgada

E o culpado disso tudo é o Bandeira


Além das siglas - NLC Poesias















domingo, 17 de abril de 2016

BEIJOS RIMADOS




Beijo teus lábios carnudos..
Ambos ficamos mudos...
Beijos molhados nos despindo
Nossas almas sorrindo
Línguas se provocando
Mãos no corpo deslizando
Em busca de carinhos
Prazer trilhando caminhos;
Desejos correm ardentes
Nossos corpos inocentes...
Ficas louca, em chamas..
Loucuras nossas insanas; 
(Samuel)



Beijo teus lábios ardentes
Com fome intensa e urgente...
Beijo teus lábios macios
Em nós desperta arrepios
Em meio a pensamentos insanos
O teu gosto saboreando
A língua traçando caminhos
Deixando rastro de carinhos
Beijo de poetas apaixonados
Que trocam versos rimados
Um beijo num doce poema
De doze versos apenas;
(NLC)

Samuel Balbinot & NLC Poesias


HOJE NÃO





Hoje não há poema

A mente confusa e sonolenta


Deseja  dormir apenas

Enquanto a alma relembra

Motivos pra não se iludir

Metade de mim duvida

A outra, escuta e sorri!

Descansa minha'lma apenas

Que hoje não há poema

(ALÉM DAS SIGLAS - NLC Poesias)

sexta-feira, 15 de abril de 2016

A PORTA E O VENTO




Fechei a porta que estava entreaberta
Era passagem de vento, mas que importa
Soprava em rajadas errantes e incertas 
Era como chave que abria várias portas...

Mas minha porta era de vidro, e ele não viu
E já havia se partido em pedaços outrora
Pedaços colados, às rajadas de vento não resistiu
O seu peso e descuido foram demais agora

Construí agora uma porta de madeira
Trancada a cadeado que contém um segredo
E para decifrá-lo  poesias é a única maneira
Nunca em versos inacabados de um soneto 




(Além das siglas - NLC Poesias)

quinta-feira, 14 de abril de 2016

MEU POEMA SEM VERGONHA



Faço hoje um poema sem vergonha
Um poema sem honra
Perdido, sem direção
Trago em versos a nossa nação
Cubro meu rosto pra não ver
Sinto no peito desprazer
Porque meu país é mais que isso
Está acima de siglas e partidos
Interesses, conchavos e desvios...


E hoje quem julga também é investigado 
E no final todos são culpados
Os erros são sempre os mesmos, nada mudou
Só mudou o lado de quem roubou...
E o povo sofrido, iludido e perdido
Vê um jogo de interesses sem precedentes
A esperança jaz em meio ao conflito 
Nada muda, mesmo que se mudar de presidente
Saem esses, entram aqueles... tanto faz!!!
Já roubaram por anos mas ainda querem mais

Por muito tempo saquearam a nação
Corrupção não nasceu na Petrobrás
Vejo nas manchetes de antigos jornais
São os mesmos problemas sempre atuais
E a gente se pergunta: Qual é a saída então?
Não é partido, não são bandeiras ou bancadas
É a lei que tem que ser mudada
E pensar que na China e Coreia do Norte
Esse crime se paga é com pena de morte
No Brasil 02 a 12 anos, e delação premiada
Tudo parece mesmo uma piada

Precisamos hoje de caráter e honradez
De pessoas dignas e comprometidas com a verdade
Acabar com os votos de estupidez
Mostrar à Pátria amor e lealdade
Ou devolver a terra aos índios de uma vez!!!!


NLC Poesias


A LUA E O VENTO




A lua agora perdeu o seu encanto
Em um véu de nuvem se guardou
Uma mulher apaixonada, que no entanto
Pelo seu amor se decepcionou

Pois o vento bem suavemente

Foi tirando todos os seus véus 

Fez a  lua entregar-se sensualmente
E mostrar-se toda nua lá no céu 

Mas ele que era brisa  suave até então 
Provocante, em carinhos sua pele arrepiou
Tornou-se de repente furioso furacão 
E trouxe dor e destruição por onde passou 

E ela então, percebeu nesse instante
Tuas facetas, e vestiu-se de novo 
Viu como era instável esse amante
Pensou, e escondeu o seu corpo... 

Depois desse dia a lua minguou 
E num céu nublado se escondeu 
Apagou-se todo o seu esplendor 
Pois o vento, seu amor nunca mereceu.

(Além das Siglas- Nlc Poesias)


domingo, 10 de abril de 2016

DEGREDO


Construí as minhas cercas
Onde prendi meus segredos
Cobri minhas pegadas de letras 
Pra cumprir o meu degredo

Nas entrelinhas tantos sinais
Que escrevia todos os dias
Em meio a consoantes e vogais 
Cuidei de fazer minhas poesias

Descumpri regras gramaticais
Pus reticências onde não cabia
Aprendi a usar os pontos finais
Para soltar o laço que me prendia


(Além das Siglas - NLC Poesias)


quinta-feira, 7 de abril de 2016

UM POEMA PEQUENO...MAS PLENO


Construo com meu verso ameno
Um poema tão pequeno
Mas pleno!
Pleno de verdades contidas
Escondidas
De vontades talvez não ditas
Vontades caladas
Porém nunca inventadas
E nem forçadas...

E meu poema ameno
Tão pequeno
Transborda de emoção por dentro
Transcreve em  letras de sentimentos

Em cada letra que me corre nas veias
Em cada palavra que verto dos dedos
Meu verso de mim parafraseia
As rimas contidas no meu enredo

E as lágrimas das dores que engulo
Com versos  em minha alma desnudo
No meio dum poema pequeno
Habita o meu verso ameno
E pleno...

Além das siglas -NLC Poesias



quarta-feira, 6 de abril de 2016

CANSAÇO


Dos meus sonhos me desfaço
Pedaço por pedaço
Em cada decepção

Apenas despedaço
Entre meus finos traços
Nos dedos da minha mão.

Apenas estilhaços
Jogados ao espaço
Nos meus versos loucos e sem razão.

Apenas cansaço
Deste mundo em que me gasto
Sobrevivendo com pouca ilusão

Apenas me refaço
Em cada verso que disfarço
Procurando uma solução

Apenas o cansaço
de seguir o mesmo passo
Sempre na contramão

E me entrego ao  cansaço
E repito o mesmo traço
E rabisco sem exatidão

(Além das Siglas -NLC Poesias)

terça-feira, 5 de abril de 2016

CAMINHOS DE MIM





Vou lírico pelos caminhos da vida 

Em busca das palavras esquecidas

A poesia ensinou minh’alma a sorrir

E as rimas fizeram-me novamente florir

As utopias deram lugar à realidade

Preenchendo assim minhas metades

Meu olhar perscrutando cada canto

Descobrindo em cada verso um encanto

Uma sensação de plenitude me invade

Ser feliz sem prazo de validade

Sem deixar morrer no chão os meus passos

E repouso entre versos o meu cansaço

NLC Poesias & Edy Simão

domingo, 3 de abril de 2016

ONDE ESTÁ A MAGIA?

 




Uma lâmpada em meu caminho encontrei
Dessas mágicas em que há um gênio morando
Diga três desejos! Então pensei e pensei
Perguntou de novo, pois eu estava demorando

Eu achava que três eram tão pouco
Que o primeiro foi pedir mais três
E depois? Perguntou o gênio quase louco
Que eles se realizassem de uma vez

E agora o terceiro, diga logo de uma vez
E desejei que nunca mais ninguém me enganasse
E ele pressionando, ainda tinha outros três
Desejei que ele nada mais me perguntasse

Surpreso, Pouff!! Em fumaça se tornou
Aspirado pela lâmpada rapidamente
E do castigo nunca mais se libertou
E agora vive preso eternamente

É por isso que não mais se vê hoje em dia
Lâmpadas,  e seus gênios mágicos
É por isso que não mais se realizam as fantasias
Que nos salvam desses destinos tão trágicos.

(Além das Siglas - NLC Poesias)