frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sexta-feira, 24 de junho de 2016

O BARCO DOS MEUS SONHOS



Nos momentos em que já quis morrer 
Cheguei ao fundo do poço, sem saída 
Sempre o meu coração voltou a crer 
E trouxe-me de volta para a vida... 


Nos momentos em que eu fui tão fundo 
E me afoguei em densa realidade 
Foi o lado mais doce do meu mundo 
Que aplacou toda a minha tempestade... 


Na balança confusa um coração 
Em busca de algum porto pra atracar 
Eu procuro algo mais que uma ilusão 

Motivos que me façam navegar 
E sonhos dos quais não vou abrir mão 
Me sustentam, e assim vão me salvar 


Além das Siglas - NLC Poesias 










5 comentários:

Ana Bailune disse...

Linda poesia, e o fundo musical de uma canção que eu simplesmente adoro!

Cidália Ferreira disse...

Poema sublime! Amei

Beijos. Bom fim de semana

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Samuel Balbinot disse...

Bom dia minha querida poetisa..
como fico feliz de ver o teu soneto aqui hein..
que este barco que leva este soneto com vc dentro possa estar cheio tão logo
e tu a navegar pelos mares da poesia com este sorriso encantador..
bjs e feliz dia Nara

Uirapuru - Passaro disse...

Adoro pousar, nos lugares que me agradam, lugares aonde encontro um pouso de mim. Onde encontro paz. Lindo e profundo, realmente como se fosse uma viagem...

Sony Azevedo disse...

Linda poesia! Amei. Luz e paz. Bjs