frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

ALÉM DA EPIDERME




De anseios e desejos vestida
O meu corpo por seu toque ansiando
Faço hoje uma rima atrevida 
Com a pele arrepiada vou versando 

Em movimentos decididos sentindo 
Cansei de nessa vida me conter 
Raros são os sentimentos despertos 
Na minha ousadia te faço me querer 

Quero sua incontida ousadia 
Derramada sobre minha epiderme 
E que leia toda a minha poesia 
E teus versos arrepiem minha pele 

Sensações transcendendo os arrepios 
De prazer a vida começamos a preencher 
Faço do teu corpo ninho e poesia 
Nos meus versos íntimos te faço viver


(NLC Poesias & Edy Simão)

5 comentários:

SOLIDARIEDADE disse...

Epitelial, cutâneo, epidérmico, com a textura e a maciez de uma poesia encantadora e terna.

J R Messias

Cidália Ferreira disse...

Lindo como sempre.

Beijo
Bom fim de semana
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Helena Soledade disse...

Show de versos!!!A epiderme pegando fogo!...Parabéns aos poetas, versos lindos e sensuais, sensuais e instigantes.Amei!Bjos

Escreverati De Luca disse...

Não há vida plena sem amor e sem paixão... paixão e amor há em seus versos... doar sua pele para nela serem escritos versos, belo, muito belo...

Samuel Balbinot disse...

Bom dia poetisa querida.. sempre tão bom ler vc a versar em companhia..
e eu sempre feliz quando posso ser tb o teu par né.. bjs meus e lindo dia Nara