frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

SENTIDOS (DI)VERSOS


No meu mundo de palavras não ditas
Caladas ou escritas
As estrofes desenham minha vida
Chegam a mim em forma de versos,
E desenhos diversos
De sentidos inversos...


Chegam a mim de tantas formas
Se reescrevem e se reinventam
Mas não seguem nenhuma norma


Com riscos precisos
De forma bem concreta
Ou traços indecisos
Numa rima incompleta
 

E os versos que  passam  por mim
Não me entendem
Então inventam-me
E invadem-me


Passam por mim . . .
E atropelam-me
E machucam-me
E sangram meu coração
A cada encontro
Que eles me dão…


Um dia  . . . Sei lá
Eu abra minhas asas pra voar
Ou caio, de vez no chão.


( NLC Poesias)



2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Parabéns! Poema soberbo!!

Beijo. Bom fim de semana.
http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Silenciosamente ouvindo... disse...

Adorei imenso este poema.
Muito bonito seu blogue.
Bjs.
Irene Alves