frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

MEU GRITO



olham-me 

como se de outra espécie eu fosse, um bicho

criticam, julgam e desprezam  como lixo

Como se eu fosse um monstro, 

Não me amparam no meu tombo

E eu encarcerada 

Como uma alma penada 

Num corpo que não é o meu 

Como um sapato apertado 

Cheia de calos, 

Sufocada, asfixiada e cansada . . .


A vida é um fardo e eu sou o grito

O berro, o urro, o erro

Que vivem em mim calados, escondidos

E se transformam em letras de desespero.



Mas às vezes eu ainda penso, brincando 

Que sou uma princesa enfeitiçada

E que um dia vai se quebrar o encanto

E tudo isso se tornará em nada . . .


Além das Siglas - NLC Poesias

2 comentários:

Escreverati De Luca disse...

A imagem é forte tal qual o "seu grito". Surpreendente!

Cidália Ferreira disse...

Lindo demais!

Bom fim de semana.
Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/