frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

terça-feira, 11 de abril de 2017

VERSOS ALÉM DE MIM



Ontem rezei sem esperança
Descrente dessa hipócrita sociedade
Enojada com tanta maldade
Conceitos, preconceitos, alianças 
O mal já não se pratica em segredo
Desse mundo envenenado tenho medo. 

Ontem, ao anjo eu pedi perdão 
Pelas impurezas que havia em mim
E pedi a ele por piedade, então
Que me levasse um pouco além de mim
Me emprestasse asas para um voo belo
E voando sobre  casas, eu vi castelos

Também vi luzes, cruzes e miséria
Vi fome, vi morte, vi a guerra
Vi pessoas afogadas em rancor
Vi corações vazios de amor
Vi rios triste morrendo sem socorro
Vi Barracos pendurados no morro 

Perguntei então ao anjo
D’onde vinha tamanha desigualdade?
O anjo triste disse-me em desencanto
Que isso era resultado da maldade
Que entrara um dia nos corações humanos
A ganância e poder nos tornaram insanos

Então pedi ao anjo conforto
Que acalmasse meu coração aflito
Descansei em tuas asas o meu corpo
Encontrei refrigério pro coração dolorido
E quando pensei que nada mais valia a pena
Aprendi a transformar as dores em poemas.

NLC Poesias - Além das siglas

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Lindo...Lindo...Lindo! Obrigada

Beijinhos

Uirapuru - Passaro disse...

Sempre há de brotar esperança, onde em solo existir fé...